51 3284-1800

SindisprevRS OF
ASCOM

ASCOM

Assessoria de Comunicação do SINDPREVRS

Epidemias expõem incompetência do governo

Nos últimos vinte anos, os sucessivos governos deixaram de lado os investimentos em saúde pública, incluindo-se aí a saúde de prevenção, que era atribuição da SUCAM, hoje FUNASA  

Todos lembram das lutas capitaneadas pela FENASPS para que houvesse melhor atenção à saúde e que ocorressem investimentos em recursos humanos para o combate efetivo às endemias. Nossos gritos ecoavam pelo país e não encontraram ressonância, nada fizeram para evitar que as endemias como a dengue e agora, a Febre Amarela voltassem com força total vitimando brasileiros inocentes e expondo a incompetência do governo federal em administrar a saúde no país.

A descentralização da FUNASA, por parte de Fernando Henrique, em 2002, foi mais um crime de lesa-pátria do príncipe neoliberal. A esperança de que Lula revertesse o quadro foi logo dissipada com a Reforma da Previdência, quando os petistas de plantão, muitos dos quais se envolveram no Mensalão, expulsaram políticos que apoiavam às reivindicações dos servidores públicos, incluindo-se aí os trabalhadores da Seguridade Social. 

A própria imprensa sempre tratou da questão da FUNASA com descaso e fomos incansáveis em avisar que, da forma como estava, a política de combate às endemias estava expondo as mazelas do setor, com a volta de doenças já controladas, como Tuberculose, Dengue, Malária e Febre Amarela.  A falta de investimentos no setor é a grande responsável pelo caos na saúde instalado no país.

Vir a público e dizer que a derrota da CPMF determinou esse estado de coisa é acreditar em bicho-papão ou pensar que não há vida inteligente fora das hostes governamentais. Há anos que estamos de pires na mão suplicando investimentos e contratação de novos agentes de saúde e guardas de endemias. Certamente que, se fossemos ouvidos, não estaríamos passando por isso, mortes provocadas pela Dengue e Febre Amarela. Nos últimos cinco anos ouve-se falar, a todo o instante, na extinção da FUNSA. E agora, ainda vão falar em extinção ou retirada da Indenização de Campo?

Esperamos que, diante desde quadro caótico na saúde pública, o governo federal possa dar maior e melhor atenção aos problemas do setor e investir não só em equipamentos, mas também na mão-de-obra, promovendo, em regime de urgência, Concurso Público para provimento de vagas na FUNASA e também a transformação da Indenização de Campo em Gratificação.

Vamos exigir que o governo recomponha imediatamente a mesa de negociações e que passe a ouvir os problemas e sugestões dos trabalhadores da FUNASA, que conhecem a fundo os problemas das endemias e sabem como combatê-las com eficácia, mas para isso, o governo deve fazer a sua parte que e valorizar os servidores e investir na infra-estrutura de prevenção.


Fonte: Fenasps

follow:

CONTEÚDOS